sexta-feira, novembro 12, 2010

Top 10: Scientifically Proven Ways To Improve Your Relationship

These 10 tips are scientifically proven, so they're guaranteed to work.

Page 1:

Do you feel like your relationship isn’t quite what it used to be? To help you revive your relationship, we’ve reviewed a serious body of research to bring you the 10 most powerful, scientifically proven ways to improve virtually any relationship. These tips also happen to be the key ingredients that go into making a good relationship work, so even if you think everything’s great, you can use this list as a diagnostic tool to make sure you and your partner are on the road to relationship bliss.

Page 2: Solidify your friendship

How satisfied you feel in your relationship has to do with how connected you feel to your partner. Research suggests that our ability to connect with others (our attachment style) is influenced by our childhood experiences. According to Prior and Glasser (2006), 65% of children can be classified as having a secure attachment style, with the remaining 35% having an insecure attachment style.
As an adult, an insecure attachment style is associated with a slew of relationship troubles, including jealousy, obsession, and emotional highs and lows. The good news is that, regardless of your present pattern, you can become more securely attached, or connected, to your partner by developing a deeper friendship. To do that, incrementally spend more time with her doing something you both enjoy. Also, regularly ask for updates on your partner’s likes, dislikes, current stressors, and new interests, as people change over time.

Page 3: Appreciate each other

Remember when you first started dating, how you used to go that extra mile to impress her? Well, one of the secrets to a long, fulfilling relationship is to continue to actively appreciate your partner. You don’t necessarily have to pull out all the stops the way you did back in the day, but regular efforts to show your partner that you appreciate her will do wonders for improving your relationship.
If you’re not sure where to start, a good place is by doling out daily compliments. Tell her she looks hot or thank her for organizational abilities when she reminds you to call your mother. The only rule is to make sure that you genuinely mean what you say.

Page 4: Concentrate on the present to ensure your future

Interestingly, the ability of your relationship to weather tough times has a lot to do with your mutual availability in the here and now. Unfortunately, over time, for a variety of reasons, many couples move further apart from each other, meaning that when a rough patch hits, their relationship doesn’t survive. To build a rock-solid relationship, start by acknowledging rather than ignoring the ordinary moments in your relationship. If your partner wants to share something she’s reading on the net, for example, take a minute to listen, even if you simply grunt in response. It may sound strange, but if you accumulate enough of the little things, when you really need your partner, you’ll find she’s there for you.

Page 5: Don't distort

Researchers have known for a long time that unhappy couples focus on the negatives in their relationships. An early study by Robinson and Price (1980) found that unhappy couples underestimated the occurrence of pleasurable events in their relationships by 50%. Also, Fincham, Beach and Baucom (1987) found that individuals in distressed relationships were prone to attributing negative intentions to their partner’s behavior.
If you find yourself stuck in this rut of distorted thinking, the next time you have a negative thought about something your partner has done try to come up with a more neutral explanation for her actions. Another strategy is to consider whether you would judge yourself so harshly if the situation were reversed. Finally, remind yourself often of the good times you’ve spent together recently.

Page 6: Share power

When a man is not willing to share power with his relationship partner, John Gottman’s research indicates there is an 81% chance that his relationship will self-destruct. While hoarding power may have got you ahead in yourcareer, this strategy will backfire in your relationship because your girlfriend will end up feeling like her opinions aren’t valuable and she doesn’t matter to you. To help save your relationship, develop a more accepting attitude toward compromise. Practice by giving in on issues you don’t feel extremely invested in.

Page 7: Find common goals

A study conducted in collaboration with a dating site in the UK found that 13% of couples reported no longer having the same goals. This situation represents a ticking time bomb, as research has shown that couples who share dreams and goals have longer-lasting, more satisfying relationships. If you feel like you’ve been out of sync lately with your partner on this front, discuss your philosophy of life together. The aim is for both of you to share what you want your life to be about, where you want to end up and what these things mean to you. Look for anything that’s common between the two of you and talk about ways to work toward that aspiration together.

Page 8: Understand anger

While outbursts of anger are common even in healthy relationships, when anger becomes an entrenched part of your couple life, you should be concerned. Sue Johnson, master therapist and pioneer of emotion-focused therapy, an empirically validated treatment for distressed relationships, refers to anger as a secondary emotion. Her theory holds that other (primary) emotions, such as sadness or a fear of being abandoned, can be found behind an angry front.
Think back to the last argument you had with your partner and use this new knowledge to look for hidden messages in what you and your partner were each trying to communicate. Attempting to disregard the angry tone you both used and trying to tune in to what you were each really trying to say will help you to see that you both have needs in your relationship that make sense. For instance, “You’re a workaholic!” might really mean “I miss you and want to spend more time with you.”

Page 9: Break negative cycles

Troubled relationships tend to follow a demand-withdraw pattern. That means that one person tends to be more critical and demanding, while the other tends to withdraw or shut down in response to conflict. Douglas Tilley, a proponent of emotion-focused therapy, notes that 85% of the time men tend to be the withdrawer. The reason may be biological -- men’s cardiovascular systems are more responsive to stress, so tuning out your mate is an attempt to avoid uncomfortable sensations. To break the negative pattern of conflict in your relationship, next time things get heated, let your partner know what’s going on with you by saying: “I can see this issue is important to you. I’m feeling too angry to discuss it right now, though, so let’s come back to it once we’ve cooled off.”

Page 10: Focus on what's fixable

As long as an argument doesn’t leave you feeling like you’ve been through an emotional roller coaster, consider it fixable. One major area that causes tension in relationships is finances, with a longitudinal study by economist Jay Zagorsky finding that 33% of couples have seriously divergent views on income, wealth and debts. In particular, the initial stages of living together may be especially fraught with monetary concerns. So that this problem doesn’t spiral out of control, sit down with your other half and craft a detailed action plan, consulting any resources that might help to get your finances on track. You should both be able to live with the new arrangement or it won’t work. Use this method to address any other problems in your life that you deem fixable.

Page 11: Accept the unsolvable

Unfortunately, according to relationship scientist John Gottman, 69% of relationship conflicts are persistent problems, meaning they revolve around issues that tend to resurface no matter how long you’ve been together. If you find a problem seems to call up painful emotions, you’re looking at one that’s persistent.
To stop this trouble from ruining your relationship, you’ll need to address the bigger issues underlying your difficulty. Take turns discussing with your partner what this loaded issue really means to you. When your partner is talking, your job is to listen, be nonjudgmental and to find something in her perspective that makes sense to you. When it’s your turn to talk, she should be doing the same thing. By treading more gently into touchy areas, you should at least be able to agree to disagree or make some small concessions for one another.


Check out more dating top 10s like Top 10: Simple Ways To Become A Better Lover and Top 10: Ways A Good Woman Improves You.

By Farah Averill,

Visita o meu perfil no Facebook

facebook
Angolaxyami Notícias de Angola tem:
71 amigos
1 foto
1 publicação no mural
2 grupos
Visita o meu perfil no Facebook
Olá Fpac.angolano,
Criei um perfil no Facebook onde posso publicar as minhas fotos, vídeos e eventos e gostava de te adicionar como amigo, para que o possas ver. Primeiro, tens de aderir ao Facebook! Assim que aderires, podes criar também o teu próprio perfil.
Obrigado,
Angolaxyami
Para te registares no Facebook, segue esta ligação:
Outras pessoas que talvez conheças no Facebook:
Kizomba Romana EventiKizomba Romana Eventi
Roma Tre
Já tens uma conta? Adiciona este endereço de e-mail à tua conta.
fpac.angolano@blogger.com foi convidado(a) para aderir ao Facebook por Angolaxyami Notícias de Angola. Se não desejas voltar a receber este tipo de e-mail do Facebook, clica aqui.
Facebook, Inc. P.O. Box 10005, Palo Alto, CA 94303

quinta-feira, novembro 11, 2010

BOOKS ON SOCIAL SCIENCES – BEST BIOGRAPHY: - Library Journal Review



Brady, Sally Ryder. A Box of Darkness: The Story of a Marriage. St. Martin's. Feb. 2011. c.256p. photogs. ISBN 9780312654160. $23.99. AUTOBIOG

Dennison, Matthew. Livia, Empress of Rome: A Biography. St. Martin's. Jan. 2011. c.336p. photogs. bibliog. index. ISBN 9780312658649. $27.99. BIOG

Firstbrook, Peter. The Obamas: The Untold Story of an African Family. Crown. Jan. 2011. c.336p. illus. bibliog. index. ISBN 9780307591401. $26. GENEALOGY

Greider, Katharine. The Archaeology of Home: An Improbable Memoir and Epic History of a Thousand Street Feet of the Lower East Side. PublicAffairs: Perseus. Mar. 2011. c.352p. ISBN 9781586487126. $26.95. AUTOBIOG

Robinson, Peter. Ronald Reagan: A Life in Photographs. Sterling. Feb. 2011. 224p. photogs. ISBN 9781402780578. $24.95. BIOG

COMMUNICATIONS
Bad News: How America's Business Press Missed the Story of the Century. New Pr., dist. by Perseus. Feb. 2011. c.240p. ed. by Anya Schiffrin. ISBN 9781595585493. $24.95. COMM

ECONOMICS
Adams, Laura D. Money Girl's Smart Moves To Grow Rich. Griffin: St. Martin's. Jan. 2011. c.272p. ISBN 9780312662622. pap. $14.99. BUS

Draper, William H., III. The Startup Game: Inside the Partnership Between Venture Capitalists and Entrepreneurs. Palgrave Macmillan. Jan. 2011. c.272p. ISBN 9780230104860. $28. BUS

Hartung, William. Prophets of War: Lockheed Martin and the Making of the Military-Industrial Complex. Nation: Perseus. Jan. 2011. c.304p. ISBN 9781568584201. $25.95. BUS

Kaufman, Josh. The Personal MBA: Master the Art of Business. Portfolio. Jan. 2011. c.402p. index. ISBN 9781591843528. $27.95. BUS

Milanovic, Branko. The Haves and the Have-Nots: A Brief and Idiosyncratic History of Inequality Around the Globe. Basic Bks: Perseus. Jan. 2011. c.256p. bibliog. ISBN 9780465019748. $27.95. BUS

Scholl, Adam T. No Sneakers at the Office: A Practical Handbook for the Business World. Landmarc. 2010. c.224p. illus. index. ISBN 9780984512904. pap. $14.95. BUS

EDUCATION
Saltmarsh, John & Edward Zlotkowski. Higher Education and Democracy: Essays on Service-Learning and Civic Engagement. Temple Univ. Feb. 2011. c.360p. illus. index. ISBN 9781439900376. $59.50. ED

HISTORY
Blatman, Daniel. The Death Marches: The Final Phase of Nazi Genocide. Belknap: Harvard Univ. Jan. 2011. c.570p. tr. from Hebrew by Chaya Galai. maps. bibliog. index. ISBN 9780674050495. $35. HIST

Brady, Patricia. A Being so Gentle: The Frontier Love Story of Rachel and Andrew Jackson. Palgrave Macmillan. Feb. 2011. c.272p. illus. ISBN 9780230609501. $26. HIST

Bown, Stephen R. Merchant Kings: When Companies Ruled the World, 1600-1900. Thomas Dunne Bks: St. Martin's. Dec. 2010. c.320p. bibliog. index. ISBN 9780312616113. pap. $26.99. HIST

Budiansky, Stephen. Perilous Fight: America's Intrepid War with Britain on the High Seas, 1812-1815. Knopf. Jan. 2011. c.448p. illus. maps. bibliog. index. ISBN 9780307270696. $35. HIST

Huntford, Roland. Race for the South Pole: The Expedition Diaries of Scott and Amundsen. Continuum. 2010. c.364p. illus. maps. bibliog. index. ISBN 9781441169822. $27.95. HIST

Jasanoff, Maya. Liberty's Exiles: American Loyalists in the Revolutionary World. Knopf. Feb. 2011. c.480p. illus. maps. bibliog. index. ISBN 9781400041688. $30. HIST

Meisler, Stanley. When the World Calls: The Inside Story of the Peace Corps and Its First Fifty Years. Beacon, dist. by Random. Feb. 2011. c.288p. index. ISBN 9780807050491. $26.95. HIST

Sandbrook, Dominic. Mad as Hell: The Crisis of the 1970s and the Rise of the Populist Right. Knopf. Feb. 2011. c.496p. photogs. bibliog. index. ISBN 9781400042623. $35. HIST

Sharfstein, Daniel J. The Invisible Line: Three American Families and the Secret Journey From Black to White. Penguin Pr: Penguin Group (USA). Feb. 2011. c.393p. bibliog. index. ISBN 9781594202827. $27.95. HIST

Tinniswood, Adrian. Pirates of Barbary: Corsairs, Conquests and Captivity in the 17th-Century Mediterranean. Riverhead: Penguin Group (USA). 2010. c.368p. photogs. bibliog. index. ISBN 9781594487743. $26.95. HIST

LAW & CRIME
Cowser, Bob, Jr. Green Fields: Crime, Punishment, & a Boyhood Between. UNO Pr. 2010. c.178p. photogs. ISBN 9781608010189. pap. $15.95. CRIME

Goldstone, Lawrence. Inherently Unequal: The Betrayal of Equal Rights by the Supreme Court, 1865-1903. Walker. Feb. 2011. c.256p. photogs. bibliog. index. ISBN 9780802717924. $26. LAW

Timmerman, L.C. & John H. Timmerman. The Color of Night: A Young Mother, a Missing Child and a Cold-Blooded Killer. New Horizon. Jan. 2011. c.320p. illus. ISBN 9780882823225. $24.95. CRIME

PARAPSYCHOLOGY
Edward, John. Infinite Quest: Develop Your Psychic Intuition To Take Charge of Your Life. Sterling Ethos. 2010. c.288p. ISBN 9781402778933. $22.95. PARAPSYCH

POLITICAL SCIENCE
Brabazon, James. My Friend the Mercenary. Grove. Feb. 2011. c.496p. maps. ISBN 9780802119759. $25.95. INT AFFAIRS

Polman, Linda. The Crisis Caravan: What's Wrong with Humanitarian Aid? Metropolitan: Holt. 2010. 240p. bibliog. index. ISBN 9780805092905. pap. $24. INT AFFAIRS

Scheuer, Michael. Osama bin Laden. Oxford Univ. Feb. 2011. c.288p. bibliog. ISBN 9780199738663. $19.95. INT AFFAIRS

PSYCHOLOGY
Karasu, T. Byram, M.D. Gotham Chronicles: The Culture of Sociopathy. Rowman & Littlefield. Dec. 2010. c.300p. ISBN 9781442208179. $27.95. PSYCH

Orsillo, Susan M. & Lizabeth Roemer. The Mindful Way Through Anxiety: Break Free from Chronic Worry and Reclaim Your Life. Guilford. Feb. 2011. c.308p. ISBN 9781606239827. $40; pap. ISBN 9781606234648. $16.95. PSYCH

Wehrenberg, Margaret. The 10 Best-Ever Depression Management Techniques: Understanding How Your Brain Makes You Depressed & What You Can Do To Change It. Norton. Feb. 2011. c.256p. ISBN 9780393706291. pap. $19.95. PSYCH

SOCIAL SCIENCES
Dear John, I Love Jane: Women Write About Leaving Men for Women. Seal, dist. by PGW. 2010. c.256p. ed. by Candace Walsh & Laura André. ISBN 9781580053396. pap. $16.95. SOC SCI

Richards, Susan. Lost and Found in Russia. Other. Dec. 2010. c.352p. index. ISBN 9781590513484. pap. $15.95. SOC SCI

TRAVEL & GEOGRAPHY
Schalansky, Judith. Atlas of Remote Islands: Fifty Islands I Have Never Set Foot on and Never Will. Penguin. 2010. 144p. tr. from German by Christine Lo. maps. index. ISBN 9780143118206. $28. TRAV

Wheeler, Sara. The Magnetic North: Notes from the Arctic Circle. Farrar. Feb. 2011. c.368p. illus. maps. bibliog. index. ISBN 9780374200138. $26. TRAV

PROFESSIONAL MEDIA
Boomers and Beyond: Reconsidering the Role of Libraries. ALA. 2010. 144p. ed. by Pauline Rothstein & Diantha Dow Schull. index. ISBN 9780838910146. pap. $55. PRO MEDIA

Digitization in the Real World: Lessons Learned from Small and Medium-Sized Digitization Projects. METRO. 2010. 592p. ed. by Kwong Bor Ng & Jason Kucsma. illus. ISBN 9780615379982. pap. $60. PRO MEDIA

No Shelf Required: E-Books in Libraries. ALA. 2010. 200p. ed. by Sue Polanka. index. ISBN 9780838910542. pap. $65. PRO MEDIA

Webber, Desiree & Andrew Peters. Integrated Library Systems: Planning, Selecting, and Implementing. Libraries Unlimited: ABC-CLIO. 2010. 183p. bibliog. index. ISBN 9781591588979. pap. $45. PRO MEDIA

ROMANCE - Books for woman and man: Library Journal Review


Burton, Mary. Merciless. Zebra: Kensington. Feb. 2011. c.416p. ISBN 9781420110203. pap. $6.99. ROMANCE

Davids, Patricia. An Amish Christmas. Steeple Hill. Dec. 2010. c.224p. ISBN 9780373876372. pap. $5.50. ROMANCE

Feehan, Christine. Ruthless Game. Jove. Jan. 2011. c.416p. ISBN 9780515149210. pap. $7.99. ROMANCE

Goodman, Jo. Marry Me. Zebra: Kensington. Dec. 2010. c.448p. ISBN 9781420101768. pap. $6.99. ROMANCE

Kramer, Kieran. Dukes to the Left of Me, Princes to the Right. St. Martin's. Dec. 2010. c.416p. ISBN 9780312374020. pap. $7.99. ROMANCE

Krentz, Jayne Ann. In Too Deep. Putnam. Jan. 2011. c.352p. ISBN 9780399157028. $25.95. ROMANCE

Laurens, Stephanie. The Reason for Marriage. Severn House. Dec. 2010. c.304p. ISBN 9780727869449. $28.95. ROMANCE

Leone, Sarita. The Christmas Bargain. Avalon: Thomas Bouregy. Dec. 2010. c.192p. ISBN 9780803477971. $23.95. ROMANCE

Perry, Kate. Tempted by Fate. Forever: Grand Central. Dec. 2010. c.368p. ISBN 9780446564625. pap. $7.99. ROMANCE

Perry, Marta. Murder in Plain Sight. HQN: Harlequin. Dec. 2010. c.384p. ISBN 9780373774722. pap. $7.99. ROMANCE

Phillips, Susan Elizabeth. Call Me Irresistible. Morrow. Jan. 2011. c.400p. ISBN 9780061351525. $25.99. ROMANCE

Quinn, Julia & & others. The Lady Most Likely.... Avon. Jan. 2011. c.384p. ISBN 9780061247828. pap. $7.99. ROMANCE

Quinn, Tara Taylor. The Fourth Victim. Mira: Harlequin. Dec. 2010. c.336p. ISBN 9780778328353. pap. $7.99. ROMANCE

Ridgway, Christie. Then He Kissed Me. Berkley Sensation: Penguin Group (USA). (Three Kisses, Bk. 2). Jan. 2011. c.304p. ISBN 9780425239179. pap. $7.99. ROMANCE

Robb, J.D. & & others The Other Side. Jove. Dec. 2010. c.416p. ISBN 9780515148671. pap. $7.99. ROMANCE

Smith, Karen Rose. Twins Under His Tree. Dec. 2010. c.224p. ISBN 9780373655694. pap. $4.99. ROMANCE

Stuart, Anne. Heart's Ease. Severn House. Jan. 2011. c.256p. ISBN 9780727869531. $27.95. ROMANCE

Angola: 35 años - El 11 de Noviembre de 1975 Angola fue el último país del África continental en dejar de ser una colonia europea

El 11 de Noviembre de 1975 Angola fue el último país del África continental en dejar de ser una colonia europea. Angola y los otros 4 Países Africanos de Lengua Oficial Portuguesa (PALOP) fueron las primeras y las últimas dependencias europeas en el mundo negro.

Angola se encuentra a alrededor de 5,000 kilómetros de distancia al sur de la península ibérica y al oeste del sur de América. Sin embargo, esta nación del África austral ha jugado un papel clave en la historia iberoamericana. 

Situación de Angola

Una década antes de que Colón llegase al Caribe, el portugués Diogo Cao arribó al río Congo, el segundo más grande del África luego del Nilo, donde lograría ir creando una asociación entre Portugal y el poderoso reino de los Kongos que se extendía alrededor de los actuales territorios del norte de Angola, los mismos que inicialmente no fueron conquistados por los portugueses. Por el contrario, estos fueron cristianizados y se convirtieron en aliados de Lisboa en la zona.

Sin embargo, a fines del siglo XVI los portugueses fueron tratando de conquistarlos a ellos y a la de los "ngolas" para prevenir que ellos volviesen a coquetear con los holandeses y para centrarse en la trata de esclavos hacia Brasil y el Nuevo Mundo.

Angola se convirtió en un punto estratégico para los portugueses, quienes fueron los primeros europeos en establecer su comercio y sus dominios en el África negra y en el Océano Índico (el cual en los siglos XVI y XVII tenía al portugués como su lengua franca).

Angola fue uno de los principales proveedores de esclavos para re-popular al Nuevo Mundo.

Durante los tres siglos que duraron las colonias sur y centro americanas varios países latinoamericanos llegaron a tener más angolanos que gente nacida en España o Portugal. La herencia angolana en nuestras tierras es riquísima, aunque poco estudiada.

La historia del Brasil se haya muy entrelazada con la de Angola. Entre estas dos colonias portuguesas que se encontraban en lados opuestos del mar hubo un gran flujo. Hoy la mitad de los casi 200 millones de brasileros desciende de esclavos, gran parte de ellos provenientes de Angola y de los PALOP.

Las mismas tropas holandeses que guerreaban contra Portugal por el control del noreste brasilero igualmente lo hacían por las posesiones angolanas. Cuando en 1641-48 los neerlandeses capturaron Luanda, fue la aristocracia carioca, la cual fue tan afectada cuando de esta manera se paraba la llegada de esclavos que usaba para sus plantaciones y para intercambiarlos por plata hispano-americana, quien se encargó enteramente de organizar, financiar y liderar la "reconquista" portuguesa de Angola. Varios de los gobernadores de Angola partieron desde el Brasil.

Durante el periodo colonial Brasil y Angola se hayaron en mutua dependencia.En el siglo XVII unos 10,000 esclavos eran despachados desde Angola anualmente hacia Brasil y el Nuevo Mundo. En el siglo XVIII esta cifra subió a 18,500. Alencastro sostiene que la construcción del Brasil se dio en base a la destrucción de Angola, pues de 1701 a 1810 unos 2 millones de esclavos llegaron al Brasil, de los cuales la mayor parte zarpaban desde Angola. A mediados del siglo XVIII la mayor parte del comercio de esclavos desde Angola era pagada con exportaciones brasileras (como la chachaza y otros licores) y conducida por barcos negreros brasileros (los portugueses llegaron a ser apenas el 15% de ellos). Muchos de los esclavos que salieron desde Angola luego eran comerciados hacia el Caribe, la cuenca del Plata o los Andes.

En la fase final del imperio luso en Brasil (1808-1822) los cariocas fueron quienes administraron Angola y el resto de colonias portuguesas.

San Martin de Porres huaycan.jpg

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)
da  Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Preâmbulo

        Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo,   
        Considerando que o desprezo e o desrespeito pelos direitos humanos resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os homens gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do homem comum,   
        Considerando essencial que os direitos humanos sejam protegidos pelo Estado de Direito, para que o homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra tirania e a opressão,   
        Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,   
        Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa humana e na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, e que decidiram promover o progresso social e melhores condições de vida em uma liberdade mais ampla,   
        Considerando que os Estados-Membros se comprometeram a desenvolver, em cooperação com as Nações Unidas, o respeito universal aos direitos humanos e liberdades fundamentais e a observância desses direitos e liberdades,   
        Considerando que uma compreensão comum desses direitos e liberdades é da mis alta importância para o pleno cumprimento desse compromisso,  

A Assembléia  Geral proclama

        A presente Declaração Universal dos Diretos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos, tanto entre os povos dos próprios Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.  

Artigo I

        Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão  e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.  

Artigo II

        Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua,  religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

Artigo III

        Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo IV

        Ninguém será mantido em escravidão ou servidão, a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.  

Artigo V

        Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo VI

        Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei.  

Artigo  VII

        Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.  

Artigo VIII

        Toda pessoa tem direito a receber dos tributos nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem  os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.  

Artigo IX

        Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.  

Artigo X

        Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.  

Artigo XI

        1. Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.   
        2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Tampouco será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.

Artigo XII

        Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.

Artigo XIII

        1. Toda pessoa tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.   
        2. Toda pessoa tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.

Artigo XIV

        1.Toda pessoa, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros países.   
        2. Este direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XV

        1. Toda pessoa tem direito a uma nacionalidade.   
        2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.

Artigo XVI

        1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer retrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução.   
        2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos nubentes.

Artigo XVII

        1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.   
        2.Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Artigo XVIII

        Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Artigo XIX

        Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Artigo XX

        1. Toda pessoa tem direito à  liberdade de reunião e associação pacíficas.   
        2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo XXI

        1. Toda pessoa tem o direito de tomar parte no governo de seu país, diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos.   
        2. Toda pessoa tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.   
        3. A vontade do povo será a base  da autoridade do governo; esta vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo  equivalente que assegure a liberdade de voto.

Artigo XXII

        Toda pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social e à realização, pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da sua personalidade.

Artigo XXIII

        1.Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.   
        2. Toda pessoa, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.   
        3. Toda pessoa que trabalhe tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.   
        4. Toda pessoa tem direito a organizar sindicatos e neles ingressar para proteção de seus interesses.

Artigo XXIV

        Toda pessoa tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e férias periódicas remuneradas.

Artigo XXV

        1. Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.   
        2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.

Artigo XXVI

        1. Toda pessoa tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.   
        2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.   
        3. Os pais têm prioridade de direito n escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos.

Artigo XXVII

        1. Toda pessoa tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do processo científico e de seus benefícios.   
        2. Toda pessoa tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor.

Artigo XVIII

        Toda pessoa tem direito a uma ordem social e internacional em que os direitos e  liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente realizados.

Artigo XXIV

        1. Toda pessoa tem deveres para com a comunidade, em que o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.   
        2. No exercício de seus direitos e liberdades, toda pessoa estará sujeita apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outrem e de satisfazer às justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.   
        3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XXX

        Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição  de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.

quarta-feira, novembro 10, 2010

Lei Sobre o Depósito de Valores nas Clínicas Privadas Antes do Internamento - Diario da Republica de Angola

Lei Sobre o Depósito de Valores nas Clínicas Privadas Antes do Internamento

* Foi publicado no DIÁRIO DA REPÚBLICA em 09/01/02, a Lei nº 3359 de 07/01/02, que dispõe:

Art.1° - Fica proibida a exigência de depósito de qualquer natureza, para possibilitar internamento de doentes em situação de urgência e emergência, em hospitais da rede privada.
Art 2° - Comprovada a exigência do depósito, o hospital será obrigado a devolver em dobro o valor depositado, ao rsponsável pelo internamento.
Art 3° - Ficam os hospitais da rede privada obrigados a dar possibilidade de acesso aos utentes e a afixarem em local visível a presente lei.
Art 4° - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Livros e Dicas de Angola